terça-feira, 27 de outubro de 2015

Gerente de loja e marido são acusados de envolvimento em esquema de desvio de tecidos


Repercute em Santa Cruz do Capibaribe a descoberta sobre um suposto esquema de desvio de tecidos investigado pela Polícia Civil. A informação foi divulgada na ontem (26) pelo Blog do Ney Lima, a partir da atuação Guarda Civil Municipal, juntamente com policiais do BEPI (antes CIOSAC). No momento em que uma remessa de tecidos foi apreendida, a polícia não havia divulgado os nomes dos envolvidos.

Na manhã desta terça-feira (27), o Blog obteve informações sobre como os acusados podem ter armado um esquema dentro da loja para desviar e, posteriormente, vender os tecidos roubados.

De acordo com a denúncia, a loja “A Veloz Têxtil” teria sido vítima da própria gerente, identificada como Ellen Porto, que segundo informações apuradas pelo Blog, está sendo procurada pela polícia. A própria loja fez a denúncia.


Foto: Fernando Lagosta

A descoberta ocorreu a partir de relatos de clientes que teriam adquirido tecidos oriundos do estabelecimento, por meio de despacho da gerente, mas sem comprovação de nota. A mercadoria estaria sendo desviada pela funcionária. A polícia investiga ainda se outro funcionário estaria envolvido na ação.

Ellen trabalhou na empresa nos últimos dois anos. De acordo com a denúncia, o prejuízo causado pelos desvios ao longo desse período ultrapassa R$ 600 mil.

Acusado vai se apresentar à polícia. Advogado alega inocência

O marido de Ellen, Randson Souza, que atua na Guarda Municipal da cidade, está sendo acusado de vender os tecidos desviados da loja. Ele ainda não se apresentou à polícia para prestar depoimento.

O advogado de Randson, Manoel Jordão Filho, que alega a inocência do seu cliente, confirmou ao Blog que ele se apresentará em breve. O advogado afirmou que Randson vai se apresentar a qualquer momento, assim que a delegada responsável pelo caso definir o dia e horário.

Dr. Manoel afirmou que Randson chegou a comercializar alguns tecidos, mas que o produto teria sido comprado e que estaria buscando as notas fiscais.

“Ele comprou alguns tecidos de boa-fé. Já encontramos uma nota fiscal e estamos procurando outra”, afirmou o advogado.

A delegada Dra. Soraia Souto, que está à frente das investigações, ainda não conversou com a imprensa sobre o caso.

O Blog do Ney Lima tentou falar com os proprietários da loja “A Veloz Têxtil”, mas não obteve retorno.

A acusada Ellen Porto não foi encontrada por nossa equipe. Policiais afirmaram que ela estaria foragida.

Blog Ney Lima 



Org Michelly Galvão Vieira

Nenhum comentário:

Postar um comentário