quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Chuva de grande abrangência e quantidade é prevista para o Nordeste brasileiro


O retorno da chuva nos últimos dias ao Nordeste do Brasil, principalmente no interior da região, trouxe de volta a esperança dos agricultores e da população em geral que sofre os efeitos da mais devastadora e prolongada estiagem dos últimos 80 anos.

Muitos municípios não contabilizavam precipitação acumulativa, acima de 30 milímetros, há mais de dois anos. Outros, ainda não registraram chuva, ainda.

Por um lado, a chuva voltou a encher rios e açudes, além das inúmeras cisternas, o que garante o abastecimento de água aos moradores. Na outra ponta da volta da chuva, os problemas de infraestrutura se multiplicam a cada pancada e cada vez mais, volumes menores de chuva já são motivo para alagamentos e deslizamentos nas cidades, o que mostra total descaso do poder público.

No período entre 06 e 16 de janeiro, os modelos numéricos, e com destaque para o norte-americano GFS, projetam a redução da chuva no Nordeste.

A água voltaria a cair com mais intensidade, portanto, entre as Regiões Centro-Oeste e Sudeste, com acumulados acima de 150 milímetros em vários municípios de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo.


Já para o período entre 16 e 24 de janeiro, embora distante, a projeção do GFS foi além dos padrões observados em um ano de forte El Niño fugindo totalmente à regra para o Nordeste. Chuva em grande abrangência e quantidade, mais uma vez.

Ainda assim, a área focada para receber muita chuva na última semana de janeiro é extensa e cobre boa parte dos estados da Bahia e Maranhão, além de boa parte de Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe, não deixando de lado o estado de Tocantins. Nestas regiões, em abundância e até excesso, o volume de chuva em apenas sete dias superaria 250 milímetros.


Outro método de modelagem do GFS joga até 400 mm entre o norte baiano e o sul maranhense.

O feito positivo, benéfico que é a volta da chuva pode acabar impactando negativamente com cidades alagadas. Por enquanto, nenhum órgão oficial de meteorologia brasileiro, Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Cptec/Inpe) ou Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), emitiu algum boletim para tal prognóstico esperado nos próximos dias.

O período mais longínquo que os meteorologistas apostam em seus boletins de avisos meteorológicos é de 48 horas, tempo insuficiente para qualquer medida preventiva.

(Crédito da imagem: Reprodução/IGES/COLA)

(Fonte da informação: De Olho No Tempo Meteorologia)



Não perca tempo pague sua contas aqui!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário