segunda-feira, 27 de junho de 2016

Testemunhas fazem o passo a passo do crime que resultou no brutal assassinato de criança de quatro anos



Ashley Yasmin Ferreira da Silva perdeu a vida em um crime brutal – Fotos: Fernando Lagosta, Blog do Jota Lídio e arquivo da família

No fim da tarde de domingo (26), Santa Cruz do Capibaribe e região foram surpreendidas pelo assassinato, de forma brutal, de uma criança de quatro anos, morta a facadas em uma residência de um assentamento no Sítio Algodão, zona rural de Taquaritinga do Norte.

No crime, outras duas pessoas também ficaram feridas: Maria do Carmo Gomes Ferreira (51 anos, avó da criança) e José Gomes Ferreira Neto (80 anos, pai de Maria do Carmo e bisavô da criança assassinada). Com base nos relatos de algumas testemunhas a nossa equipe de reportagem, se pode fazer uma breve reconstituição de tudo o que pode ter acontecido horas antes do crime bárbaro.

Os relatos coletados não possuem as horas precisas de quando aconteceram e vale salientar que a polícia segue investigando o caso, que segue em sigilo. De acordo com essas testemunhas, o principal suspeito, José Antônio dos Santos Irmão, agiu sozinho para cometer os crimes.


José Antônio, tido como principal suspeito de ser o autor dos crimes, continua foragido

Confira o que pôde ser apurado com base em relatos de testemunhas que presenciaram a tragédia:

O que teria acontecido durante o dia

Durante o dia de domingo, José Antônio e a sua companheira, Maria do Carmo, teriam passado o dia normalmente, chegando a ir, durante a manhã, a uma feira no Sítio Jerimum (também em Taquaritinga) para comercializar animais. O idoso José Gomes Ferreira Neto (80 anos), que é pai de Maria do Carmo, teria ficado na residência, que seria palco da tragédia horas depois.

Após o casal retornar da feira, Maria do Carmo foi a uma igreja evangélica (como sempre fazia segundo testemunhas), já com Ashley Yasmim (a criança que seria assassinada). Já José Antônio foi para um bar e retornou para a propriedade horas depois.

O momento dos crimes

Com chegada de Maria do Carmo com a criança, que já estava dormindo e havia sido colocada na cama, em um dos quartos, José Antônio teria ameaçado a mulher, dizendo que estava esquentando uma faca no fogo para cortar-lhe uma das orelhas.

Assustada, Maria do Carmo foi em direção ao pai, que estava na cozinha, e relatou a situação, porém, poucos segundos depois, José Antônio esfaqueou primeiro o idoso, que apesar de ser quase cego, conseguiu correr para uma propriedade vizinha, cerca de 50 metros de distância, para pedir ajuda.

Em seguida, Maria do Carmo teria entrado em luta corporal com José Antônio, sendo também esfaqueada nas mãos e no pescoço. Ela também conseguiu fugir para a mesma propriedade vizinha em que estava o pai. A cozinha ficou com várias manchas de sangue.


Já Ashley Yasmim teria ficado dormindo na casa, sendo então assassinada ainda na cama, com golpes de faca no pescoço.


Pai e filha foram então socorridos e relataram que a criança teria ficado na propriedade. Nesse momento, outras pessoas que estavam na residência vizinha foram avisadas para buscar a menina, porém o assassino ainda estava no local.

A fuga do principal suspeito


Propriedade onde aconteceram os crimes

Após o crime, ainda no fim da tarde, José Antônio pegou o carro da mulher e fugiu por uma estrada de terra, que liga os sítios Algodão e São Paulo de Sinésio, abandonando o mesmo pouco tempo depois em meio a vegetação e fugiu mais uma vez.

Um fato que chamou a atenção é que, no carro localizado esta segunda-feira, uma bainha de faca foi localizada cerca de 50 metros de distância do veículo. A bainha foi reconhecida por uma das testemunhas como sendo pertencente a uma faca que era usada pelo avô, possivelmente a arma usada nos crimes.


Veículo usado pelo criminoso na fuga


Bainha da faca possivelmente usada nos crimes da indícios da direção por onde o assassino fugiu

As vítimas esfaqueadas foram encaminhadas ao Hospital Municipal Raymundo Francelino Aragão, em Santa Cruz do Capibaribe, onde receberam cuidados e foram transferidas, horas depois, para um hospital na cidade de Recife, onde não correm risco de morte. Ao relatarem o fato para a equipe de policiais civis, nenhum dos dois sabia que a criança já estava morta.

O desespero dos pais

O pai da criança, Anderson José da Silva, foi o primeiro a saber do assassinato e foi, logo em seguida, para o Hospital Municipal. Já a mãe, Andreza Mayara Ferreira, só soube da morte horas depois e também foi a unidade de saúde, onde foram amparados por parentes e amigos. A mãe chegou a desmaiar algumas vezes e o pai não conseguia segurar as lágrimas, clamando por justiça.


Mesmo em desespero, amigos e familiares tentavam consolar o casal de jovens, pais da criança assassinada

Já na propriedade, o corpo de Ashley Yasmim foi periciado e encaminhado para o IML, na cidade de Caruaru, de onde será liberado nesta segunda-feira (27) para velório e sepultamento.

O velório está previsto para acontecer no Velório Municipal e o sepultamento deve acontecer no cemitério São Judas Tadeu (cemitério velho), às 16h. Até o fechamento desta matéria (10h25), o corpo ainda não havia sido liberado.

Blog do Ney Lima



Vereador que apoia este trabalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário