sexta-feira, 15 de abril de 2016

Coluna da Sexta-feira com Marquinhos Aragão: Em quem acreditar ?

1)-Michel Temer ( PMDB ) vice presidente.

Na delação premiada que firmou com o Ministério Público Federal, o senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) afirmou que o vice articulou a indicação de Jorge Zelada para o cargo de diretor da área internacional da Petrobras e de João Augusto Henriques para a BR Distribuidora.

Em agosto do ano passado, Temer também foi citado pelo lobista Júlio Camargo, um dos principais delatores do esquema e ex-consultor da empresa Toyo Setal.

2) Eduardo Cunha ( PMDB-RJ ) Presidente da Câmara dos Deputados.

Segundo na linha de sucessão, Cunha é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro pelo suposto envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras.

De acordo com as investigações, ele teria recebido propinas para viabilizar obras na estatal e mantido contas não declaradas no exterior.

3) Renan Calheiros (PMDB-AL) presidente do Senado

Ele é suspeito de peculato (desvio de dinheiro público), uso de documento falso e falsidade ideológica por supostamente ter apresentado notas fiscais falsas para comprovar ter renda suficiente para pagar as despesas de uma filha que teve fora do casamento. As suspeitas são de que esses valores teriam sido pagos, na verdade, por uma empreiteira.

Esta é a linha sucessória caso haja impeachment, da presidente Dilma Rousseff, mesmo diante das acusações que o governo federal tem sofrido, observasse que aqueles que querem ver sua queda, estão mais queimados do que pau de fogueira, qual o respaldo moral dos supostos sucessores ? tendo em vista que os mesmo também podem ter seus mandatos casados, e com isso o Brasil vira uma verdadeira baderna, com empresas fechando, nível de desemprego aumentando, e nosso pais não mais conhecido como o país do futebol, mas sim o país da corrupção, onde o pobre cumpre penas absurdas por pequenos delitos, e políticos corruptos em meio aos seus processos sempre encontram brechas na justiça, para no final comer uma bela de uma pizza.

Marquinhos Aragão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário