quinta-feira, 4 de abril de 2013

Onde esta a água prometida.

Tempos atrás foi noticioado que a Compesa iria cobrar uma taxa única para fornecer água através de carro pipa nas residências aos clientes da empresa, ai um certo administrador que temos fez um acordo com eles e conseguiu que a água chegasse a todos de graça, muito legal da parte dele muito humanitário ótima atitude, isso já tem bem mais de um mês.


Passado esse tempo ao menos na minha e na de muitos esses caminhões pipas salvadores nem passam na frente, quanto mais colocaram água na minha cisterna, ai fica um questionamento esta distribuição não deveria seguir um cronograma? Ou esta distribuição é feita por sorteio, amizade com algum funcionário da empresa ou apenas sorte mesmo.


Ai se percebe outra coisa cadê nossos vereadores que não correm atrás disso e de muitas outras coisas para saber o que esta acontecendo, precisa um cidadão comum para ir atrás disso, se ele conseguiu ou não melhorar este abastecimento não sei, mas ao menos teve atitude enquanto quem ganha para isso, que sao nossos representantes se fazem de cego, alguns pode se dizer que mudo também porque a moça não fala, deve transmitir as coisas por pensamento, mas fazer o que nos a elegemos.


Quando todo esse povo que foi eleito para nos representar vão começar encarar este caos provocado pela seca que estamaos passando de uma maneira mais séria, quando eles vão começar a a cobrar uma ajuda maior ao povo, tem vereadores que antes das eleiçoes, isso fora de epoca de campanha, que eu encontrava quase que diariamente na cidade, hoje mal o vejo passando.


Essa parada de professores x prefeitura ja deu comecem a focar em outras coisas mais necessárias, ou melhor comecem a trabalhar para todos, se unam e corrram atras de medidas para aliviar este sofrimento, cobrem quem tem que ser cobrado e façam jus ao salário que ganham. Ao menos demonstrem oublicamente que estão preocupados, ou seja metam a boca no mundo.


É isso ai abraço a todos.


Escrito por colunista Marcelo de oliveira  

Com salários atrasados, jogadores do Central decidem entrar em greve


Atletas não foram treinar na tarde dessa terça-feira e movimento pode se prolongar: Torcedores também organizaram um protesto no Lacerdão.

 
Para o técnico Leivinha não há o que fazer além de
esperar (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press).


A situação no Central não é das melhores. Lanterna do segundo turno do Campeonato Pernambucano, com apenas sete pontos em nove jogos, a Patativa vive dias difíceis e convive com problemas administrativos. Por causa de um atraso nos salários, jogadores alvinegros se reuniram e decidiram não treinar na tarde desta terça-feira. O elenco está em greve.

- É uma coisa que realmente aconteceu. Eles se reuniram e chegaram a esse ponto. A mim, não cabe fazer muita coisa a não ser esperar. Não sei se isso pode se alongar pelo resto da semana. Estou aguardando o que vai ser feito pela diretoria - disse o técnico Leivinha.

O treinador, que deixou o Belo Jardim e assumiu o Central na sétima rodada do segundo turno, afirmou que a situação é complicada.

- Quando eu cheguei aqui, nem sabia que existiam todos estes problemas. Mas, não quero falar muito sobre isso, porque é questão da administração do clube.

Além disso, parte da torcida Centralina, um grupo de aproximadamente 50 torcedores, organizou uma manifestação pacífica na frente e arredores do Estádio Lacerdão nessa terça-feira. O protesto dostorcedores incluia faixas e cartazes solicitando a renúncia da atual diretoria alvinegra. Em alguns cartazes lia-se: "Fora o Ditador e volta João". Fazendo alusão veemente ao retorno do ex-Presidente João Tavares e consequentemente a queda do atual Presidente Sivaldo Oliveira. A torcida está inconformada com o fato de que pelo terceiro ano consecutivo o Alvinegro de Caruaru não consegue conquistar uma vaga no G-4 do Pernambucão. E para piorar a situação, este ano, o Central está na humilhante condição de lanterna do segundo turno, depois de ter sido vice-líder do primeiro turno desta temporada no Campeonato Estadual.


Para tentar sanar o problema da greve dos jogadores, a direção alvinegra deverá pagar um dos dois meses de saláarios atrasados, no caso o mês de Fevereiro. O dinheiro foi conseguido junto a federação Pernambucana de Futebol que adiantou parte do pagamento da verba do programa governamental "Todos com a Nota".

Ficou para a Ilha do Retiro



O Vitória da Conquista entrou em campo com a vontade. O Sport se postou como quem esperava a classificação cair no colo. Muita marcação, de ambas as equipes, e pouca qualidade técnica no jogo.

A partida foi feia. Mesmo assim, o Leão conseguiu sair de campo, no primeiro tempo, comemorando a vantagem de 1×0 no placar. Em um lance que poderia ter pintado tanto para os donos da casa, quanto para os visitantes, o primeiro tento do jogo foi anotado. O dono acabou sendo Rithely.

Mas, o personagem do jogo foi outro. Foi novamente Lucas Lima. Não pelo bom futebol – como na goleada diante do Chã Grande -, mas por provar que existe algo de errado quando se joga com três volantes. Pelo menos no Sport.

Hugo, Marcos Aurélio e agora o camisa 19. Nenhum conseguiu apresentar bom futebol como o único homem na criação. Falta diálogo ofensivo. Sobraram lances de ataque desperdiçados. Enquanto isso, Érico Júnior e Marcos Aurélio assistiam a partida do banco de reservas.

Eles, sim, conseguiriam falar a mesma língua com Lucas Lima no jogo. A audácia não fez parte do dicionário de Sérgio Guedes. Ele fez o “seis por meia-dúzia”.

O “imperador” até entrou em campo. Mas, na vaga de Lucas Lima, quando o cronômetro deixava para o Leão apenas cinco minutos de jogo. O resultado não aconteceu. O 1×0 foi mantido. A decisão, então, ficou para a Ilha do Retiro.

Santa vence mais não elimina o jogo de volta.

Tricolor vence na estreia da Copa do Brasil, mas não consegue eliminar jogo da volta

Muita correria, mas tudo desnecessário. Até porque foi quando a bola parou que os gols saíram. Em duas cobranças de falta, uma com capricho e outra com força, o Santa Cruz iniciou com o pé direito a Copa do Brasil 2013. Não deu para eliminar o jogo de volta, mas para quem já teve traumas de tropeços contra outros “pequenos”, começar vencendo é, no mínimo, um passo importante. Luciano Sorriso e Raul marcaram para os pernambucanos. Gustavo diminuiu para o clube cearense.

Apostando novamente no 4-5-1 que deu certo contra o Náutico, Marcelo Martelotte percebeu um dos motivos que o favoreceram contra o Timbu: a falta de um meia de construção no adversário. Se o tricolor foi predominante na meia canja contra os alvirrubros, no duelo ante os cearenses a equipe não obteve tanta hegemonia. Motivo: no lado do Guarani, Djalma era a mente pensante e condutora das jogadas de perigo cearense.

Foram dele as grandes chances do time de Juazeiro. Logo de cara, aos 3 minutos, um chute no ângulo que obrigou Tiago Cardoso a espalmar para escanteio. E na Terra do Padre Cícero, os milagres eram dos goleiros. Aos 10, Natan saiu de frente ao gol e bateu colocado para Grison fazer grande defesa. Voltando para o meia do Juazeiro, as bolas paradas eram seu maior trunfo para levar susto ao gol coral.

Mas nem mesmo um especialista no setor foi páreo para a esperteza de Luciano Sorriso. Aos 13, o volante tricolor cobrou falta rasteira, no cantinho. E se fez o gol! Abertura do placar no Romeirão. E por pouco a alegria não foi multiplicada. Em chute de Renatinho, Tobias salvou em cima da linha o que seria o segundo gol. No meio campo, Raul era o mais consciente na hora de comandar as ações. Quem não acompanhou o ritmo foi Dênis Marques, que pouco se movimentou.

Como para cada graça alcançada é preciso um sacrifício, Renatinho “pagou o pato” e saiu ainda no primeiro tempo com dores na coxa. Jefferson Maranhão foi então acionado por Martelotte.

Segunda etapa começou e…gol do Santa! E novamente a Santa bola parada! Aos 4, Raul cobrou forte, sem chances para Grison. O 2×0 eliminaria o jogo da volta, no Arruda. Jogo truncado na intermediária, a segunda etapa foi de menos correria e mais marcação do Tricolor.

Diferente das Romarias que levam centenas de milhares de pessoas a Juazeiro do Norte, o Guarani não conseguiu atrair uma multidão para a partida. Mas nem por isso faltou ânimo aos donos da casa. Após esbarrar em Tiago Cardoso e na falta de pontaria, o time conseguiu diminuir o marcador com Gustavo. E o gol só poderia surgiu de bola parada. Cobrança na área tricolor, que deu o rebote nos pés do meia cearense, que acertou uma bomba. William Alves desviou e matou Tiago Cardoso.

Lembra de Djalma? Ele continuava sendo o homem das bolas paradas. Faltas, escanteios…o Guarani ficou dependente das jogadas do meia. No Tricolor, Raul e Natan, que depois foi substituído por Paulo César, colocaram o pé no freio. De quase classificado antecipadamente, restou ao Santa segurar a vitória.

E para isso, foi preciso rezar para o padroeiro das “defesas impossíveis”. Tiago Cardoso se esticou todo em chute de fora da área para evitar o empate rubro-negro. E quando o arqueiro não impedia, era o travessão que salvava, como na pancada de Djalma. Em terra de santo, a noite foi do Santa.