sábado, 29 de setembro de 2018

"Não aceito resultado diferente da minha eleição", afirma Bolsonaro

Jair Bolsonaro - Foto: Reprodução/Facebook

Colocado diante de um cenário de possível vitória do PT, Bolsonaro afirmou que acredita que as Forças Armadas não tomariam a iniciativa de contestar o resultado. No entanto, ele diz que elas não tolerariam erros do partido que tem Fernando Haddad como seu presidenciável

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) declarou nesta sexta-feira (28) que não aceita um resultado das eleições que não seja a sua vitória. Ele disse isso em entrevista ao programa de televisão Brasil Urgente. "Não posso falar pelos comandantes [militares]. Pelo que vejo nas ruas, não aceito resultado diferente da minha eleição", disse o candidato, que deu a entrevista em seu quarto no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde está internado desde o começo do mês após sofrer um ataque a faca durante ato de campanha em Juiz de Fora, em Minas Gerais.

O candidato tem afirmado, e repetiu nesta sexta, que as urnas eletrônicas brasileiras estão sujeitas a fraudes que podem prejudicar a sua campanha, que atualmente lidera as pesquisas de intenção de voto. Ele também disse que tem desconfiança de "profissionais dentro do Tribunal Superior Eleitoral".

"Em 2015, eu aprovei o voto impresso, mas o Supremo derrubou. Não temos como auditar o resultado disso. A suspeição estará no ar. Se você ver como eu sou tratado na rua e como os outros são tratados, você não vai acreditar. A diferença é enorme", completou.

Colocado diante de um cenário de possível vitória do PT, Bolsonaro afirmou que acredita que as Forças Armadas não tomariam a iniciativa de contestar o resultado. No entanto, ele diz que elas não tolerariam erros do partido que tem Fernando Haddad como seu presidenciável.

"O que vejo nas instituições militares é que não tomariam iniciativa. Mas na primeira falta, poderia acontecer [uma reação] com o PT errando, sim. Nós, das Formas Armadas, somos avalistas da Constituição. Não existe democracia sem Forças Armadas", afirmou.

Na entrevista, o candidato também foi incisivo em suas críticas ao seu candidato a vice, general Hamilton Mourão (PRTB). Ao comentar falas do general que geraram controvérsia nos últimos dias, Bolsonaro disse que pediu para que Mourão ficasse "quieto" porque "estava atrapalhando".

"Não concordo [com as falas de Mourão]. Ele falou que o 13º salário é uma jabuticaba. Outros países têm [direitos] parecidos. Divirjo, lógico. Disse no Twitter que é cláusula pétrea, não pode mexer nem por proposta de emenda à Constituição. Disse também que demonstra desconhecer a Constituição. Falei para ele ficar quieto porque está atrapalhando", disse Bolsonaro, que acrescentou que "um vice geralmente não apita nada, mas atrapalha muito".

O presidenciável disse que, por recomendação médica, não sairá de casa até o dia 10 de outubro. Sendo assim, mesmo que tenha alta do hospital neste final de semana, como programado, ele não participará dos debates antes da realização do primeiro turno, marcado para o dia 7.

Por: Folhapress

Vítima de disparos de arma de fogo é socorrida para a UPA de Santa Cruz

Foto: Jabson Nunes.

Uma pessoa foi vítima de uma tentativa de homicídio na noite desta sexta-feira (27) na Rua São Paulo, Bairro Santa Cruz em Santa Cruz do Capibaribe. Edinaldo da Nóbrega Almeida (26 anos) foi alvejado por disparos de arma de fogo.

Segundo testemunhas, a vítima teria tentado praticar um assalto contra um casal que estava em um veículo, no momento, o condutor acabou sacando um revólver e efetuado os tiros.


Com Edinaldo foi encontrado um revólver em sua cintura, uma tornozeleira eletrônica enrolada em um papel alumínio (que serve para bloquear o rastreamento), além de estar com um short por baixo de sua calça.

A vítima foi conduzida para a UPA de Santa Cruz do Capibaribe.

Jarbas Vasconcelos lidera corrida para o Senado em Pernambuco, mostra Datafolha


Na pesquisa Datafolha para duas vagas no Senado por Pernambuco, o deputado Jarbas Vasconcelos (MDB) continua na liderança, seguido pelo senador Humberto Costa (PT). Jarbas oscilou de 36% para 38%. Humberto cresceu de 30% para 34% e conseguiu se descolar de Mendonça Filho (DEM), que foi de 31% para 27%.

O levantamento, realizado com 1.302 eleitores nos dias 26, 27 e 28 de setembro, mostra Bruno Araújo (PSDB) com 11%, Silvio Costa (Avante) com 11%, Pastor Jairinho (Rede) com 5% e Adriana Rocha(Rede) com 3%.

Helio Cabral (PSTU), Lidia Brunes (PROS), Eugenia (PSOL), Alex Lima Rola (PCO) e Albanise (PSOL) marcaram 1% cada.

A pesquisa aponta que 18% do eleitorado pernambucano declararam que vão votar em branco ou nulo para a primeira opção do Senado. O levantamento indica que 27% farão o mesmo para a segunda opção.

O Datafolha mostra que 7% dos eleitores estão indecisos para a primeira vaga de senador (eram 6%) e 12% para a segunda vaga (eram 10%). A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa, contratada pela Folha de S.Paulo e TV Globo, está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número PE-03031/2018. O nível de confiança é de 95%.

Fonte Folha 

Paulo Câmara dobra vantagem sobre Armando Monteiro em nova pesquisa Datafolha


A pouco mais de uma semana para as eleições, nova pesquisa Datafolha aponta que o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), dobrou a vantagem para seu principal opositor: o senador Armando Monteiro (PTB).

Paulo passou de 35%, no levantamento realizado nos dias 18 e 19 de setembro, para 38% das intenções de voto. Armando oscilou negativamente. Tinha 31% e foi para 30%. A diferença entre os dois, que era de 4% na semana passada, atingiu o patamar de 8%.

​Mauricio Rands (PROS) e Julio Lossio (Rede) marcaram 3% cada um. A candidata Dani Portela (PSOL) ficou com 2%. Ana Patricia Alves (PCO) e Simone Fontana (PSTU) não saíram do 1%. Brancos e nulos caíram de 19%, no levantamento anterior, para 16%. Os indecisos somam 6%, o mesmo índice de antes.

Para esta pesquisa foram ouvidos 1.302 eleitores em 55 municípios de Pernambuco. A margem de erro para o total da amostra é de 3 pontos percentuais. O levantamento foi realizado entre os dias 26 e 28 de setembro.

Na pesquisa espontânea, quando os nomes dos candidatos não são apresentados aos eleitores, Paulo Câmara é citado por 19%, mesmo índice registrado na pesquisa anterior. O senador Armando Monteiro ficou com 15%. Ele tinha 13%. Também foram citados Lossio (1%), Dani Portela (1%) e Rands (1%). Uma parcela de 40% não menciona nenhum nome.

Pela primeira vez, Paulo Câmara e Armando Monteiro apresentam índice de rejeição similar. O Datafolha aponta que 31% não votariam de jeito nenhum no governador. A rejeição de Armando saltou de 23% para 30%.

No segundo turno, Paulo venceria Armando com um percentual de 43% contra 38%. A pesquisa, contratada pela Folha e TV Globo, foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número PE-03031/2018.


Fonte: Folha