sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Para ter uma arma em casa, o gasto mínimo é de R$ 3,7 mil


O cidadão que decidir adquirir um revólver ou pistola após a entrada em vigor das novas regras para a posse de armas desembolsará, no mínimo, cerca de R$ 3,7 mil para regularizar sua situação, cumprindo a todos os pré-requisitos exigidos por lei. O valor inclui a aquisição do armamento escolhido e a obtenção dos documentos necessários.

A Agência Brasil consultou a empresa brasileira Taurus sobre a sugestão de preço médio para a venda de armas de calibres permitidos (.38 / .380 / .22 / .36), mas como não obteve respostas até a publicação desta reportagem, consultou a sites de diferentes lojas que oferecem seus produtos na internet.

O revólver mais barato encontrado, um .38 de cinco tiros, custa a partir de R$ 3,1 mil. As mesmas lojas oferecem revólveres .22 a partir de R$ 4 mil. A pistola de mesmo calibre custa a partir de R$ 6 mil.

Um revólver .36 pode ser adquirido por R$ 4 mil e a pistola .380 a partir de R$ 5 mil. Conforme explicou, por telefone, o vendedor de um dos estabelecimentos, os preços são para a venda online, podendo variar na loja física.

Despesas

A aquisição de uma arma ainda envolve outros custos. É preciso, por exemplo, pagar R$ 88 para a Polícia Federal (PF) a fim de obter o registro necessário para manter o revólver em casa ou no local de trabalho. Com a publicação do Decreto nº 9.685, ontem (15), a validade do Certificado de Registro de Arma de Fogo aumentou de cinco anos para dez anos.

O decreto também estipula que, ao solicitar o registro, o interessado que vive ou trabalha em local com crianças, adolescentes ou pessoa com deficiência mental deve declarar possuir cofre ou local seguro com tranca para armazenar a arma.

O Estatuto do Desarmamento, de 2003, prevê pena de detenção de até dois anos, além de multa, a quem permitir que crianças, adolescentes ou pessoas com deficiência mental apanhem a arma.

Avaliação

O candidato que comprar um revólver ou pistola também precisa se submeter a uma avaliação psicológica que confirme que ele está apto a possuir uma arma em casa ou local de trabalho. Para ser aceito, o laudo deve ser emitido por um profissional devidamente habilitado e credenciado pela Polícia Federal (PF).

A relação de psicólogos credenciados em todo o país está disponível no site da PF. O custo da avaliação, no entanto, é referenciado pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP). A tabela de honorários ainda disponível no site do conselho sugere os preços mínimo (R$ 280,87) e máximo (R$ 655,36).

A legislação estabelece a obrigatoriedade de o candidato comprovar capacidade técnica para manusear uma arma de fogo. A relação de instrutores de armamento e tiro credenciados também está disponível no site da PF, que afirma que o valor cobrado pela aplicação do teste não pode exceder R$ 80.

No entanto, dois instrutores ouvidos pela Agência Brasil explicaram que, a este valor, devem ser acrescidos os custos com a munição gasta e, se necessário, despesas com o aluguel de uma arma e do estande de tiros. Somadas, todas estas despesas podem variar entre R$ 240 e R$ 300, dependendo da localidade.

Os demais documentos exigidos, como as certidões negativas de antecedentes criminais e de que o interessado não está respondendo a inquérito policial ou a processo criminal, podem ser obtidas pela internet, sem custos, nos sites da Justiça Federal, Estadual, Militar e Eleitoral.

Fonte: Agência Brasil

Jovem morre após sofrer descarga elétrica na zona rural de Brejo da Madre de Deus

Foto: Arquivo Pessoal

Na tarde desta quinta-feira (17), um jovem morreu após receber uma descarga elétrica no Sítio Amaro, zona rural de Brejo da Madre de Deus.

Segundo informações repassadas para nossa reportagem, a vítima identificada como Romeu Miguel Cavalcanti (18 anos), tentou levantar um fio com um pedaço de madeira para que um caminhão passasse pelo local, no momento em que a madeira escorregou da sua mão e o fio atingiu ele, o qual caiu de cima do caminhão após receber a descarga elétrica e veio a óbito no local.

Foto: Divulgação

A Polícia Militar esteve no local realizando o isolamento da área até a chegada da Polícia Civil, IC e IML para realizarem o levantamento cadavérico. O corpo será encaminhado para o Instituto de Medicina Legal em Caruaru.

Blog do Bruno Muniz

Jovem é assassinado a tiros em Toritama

Foto: Divulgação

Na noite desta quinta-feira (17), o segundo homicídio do ano foi registrado no loteamento Deus é Fiel, na cidade de Toritama, região Agreste de Pernambuco.

Lucas Natalício da Silva, de 18 anos, conhecido como "Luquinhas", o qual foi surpreendido e atingido por disparos de arma de fogo não resistindo a gravidade dos ferimentos e morreu no local, antes mesmo de receber qualquer tipo de socorro médico.

A Polícia Militar fez o isolamento da área até a chegada da Polícia Civil, que realizou o levantamento cadavérico e encaminhou o corpo para o IML (Instituto de Medicina Legal), em Caruaru.

Blog do Bruno Muniz

Setenta lombadas eletrônicas são desligadas em Pernambuco


As lombadas eletrônicas instaladas nas rodovias estaduais e em trechos de estradas federais administrados pelo governo de Pernambuco foram desligadas. Ao todo, 70 equipamentos estão sem operar desde a terça-feira (15), por causa do encerramento do contrato entre o estado e a empresa Serttel.

Por meio de nota, a Serttel explicou que os equipamentos eram administrados devido a um contrato com o Departamento de Estradas de Rodagem (DER). O documento foi assinado para o período entre julho de 2012 e julho de 2018, mas teve o prazo estendido para 14 de janeiro de 2019.

Na terça (15), os equipamentos foram desligados e a empresa alegou estar aguardando um novo edital de licitação do órgão estadual.

Por meio de nota, o DER alegou que o processo de licitação para contratar a empresa responsável pelo monitoramento está em andamento. Não há, no entanto, um prazo para que as lombadas eletrônicas voltem a funcionar.

G1 Caruaru