terça-feira, 10 de novembro de 2015

Jataúba: Hospital lotado e casos de Chikungunya confirmados


Com corredores lotados de pacientes, casos de Chikungunya podem chegar até 100, mas falta de testes do Governo do Estado não permitem detalhes mais conclusivos – Fotos: Thonny Hill

Durante esta segunda-feira (09) a equipe com profissionais do Blog do Ney Lima e da rádio Polo FM esteve percorrendo hospitais de quatro cidades da região.

O objetivo é o de trazer um panorama do surto de virose, sendo que estes quatro que foram escolhidos (excluindo-se Santa Cruz do Capibaribe, que já teve reportagens realizadas por estes veículos) vivenciam condições peculiares perante o quadro de epidemia que atinge mais de 100 municípios do Estado.

Sobre o surto de virose, até agora não foi publicado, por parte do Governo do Estado, um estudo conclusivo sobre o que, de fato, pode estar afetando milhares de pessoas.

O que se sabe é que os casos notificados, em sua maioria, são tratados seguindo o protocolo adotado em suspeitas de dengue, mas vale ressaltar que, em uma dessas cidades, já há casos de Febre Chikungunya confirmados.

A primeira dessas cidades retratadas nesta série será o município de Jataúba. Confira!

“De sexta-feira até hoje, estamos com 532 atendimentos, coisa de 400 desse aí são de virose” – revela secretária de saúde de Jataúba



;;

Com uma população estimada em quase 16 mil habitantes segundo o IBGE, o município também é um dos que enfrenta a situação de epidemia de virose, fator que leva centenas de pessoas ao Hospital Municipal local.

De acordo com a Secretária de Saúde Anne Gabriele, até 240 atendimentos diários são registrados, sendo que mais de 80% dos casos são associados ao surto de virose.

Entre esses sintomas mais destacados pelos pacientes são febre alta, dores pelo corpo e articulações, inchaço nos membros superiores e inferiores, dores de cabeça, diarreia, enjoo, manchas vermelhas e coceira.

Surto começou no final de agosto – diz secretária

De acordo com a secretária, o surto começou a ser percebido em Jataúba a partir do mês de agosto e se intensificou a partir do mês de setembro, fator este que tem crescido, segundo ela, com a chegada de pacientes vindos de outras cidades, entre elas cinco do estado da Paraíba.

O Hospital Público do município trabalha com apenas um único médico plantonista 24 horas, excluindo-se aqui os médicos de outras especialidades que realizam consultas seguindo calendários específicos.

O tempo de espera de cada paciente na fila pode ultrapassar, facilmente, mais de duas horas em horários de grande movimento.

“O plantão daqui é muito pesado, mas nós não precisamos fechar plantão. Eles (os profissionais do hospital) estão conseguindo, na medida do possível, dar conta da nossa quantidade de atendimentos”.

“Conseguimos quatro sorologias e, em duas delas, deu positivo para Chikungunya, diz secretária

Durante a entrevista, Anne revelou um dado agravante sobre a situação de descaso por parte do Governo Estadual.

Segundo ela, apenas quatro testes de sorologia, que detectam que doença assola o paciente, são liberados por semana e que o município, ao ter acesso ao resultado desses testes, confirmou a presença da Febre Chikungunya.

“O estado de Pernambuco só libera quatro sorologias para Dengue e Chikungunya para o estado inteiro, por semana. Nós conseguimos quatro sorologias logo no início e, em duas delas, deu positivo para Chikungunya. Estamos trabalhando aqui, junto com os médicos da unidade e o município como um todo na tentativa de combater o (mosquito)Aedes Aegypti, que é o vetor transmissor. Ele pode estar transmitindo os dois ou mais vírus de uma vez” – disse.

Mesmo com a confirmação dos casos, a secretária alertou que não há necessidade de pânico por parte da população, muito embora ela alerte que o município pode chegar a ter até 100 casos da doença.

Falta do larvicida fornecido pelo Governo Federal contribuiu para o surto, diz secretária

Ainda durante a entrevista, Anne revelou que o Governo Federal não tem repassado o larvicida usado pelos agentes de endemias do município para o combate as larvas do mosquito.

Segundo ela, há três meses que o repasse não é feito, fator que, segundo ela, é um dos principais para que o surto de virose tenha acontecido.

“Todos os municípios do estado estão sem o larvicida, fator que ocasionou tudo isso; esse aumento nos casos de Dengue e de Chikungunya, que era uma coisa que não estávamos preparados para estar trabalhando. De sexta-feira (06) até hoje, estamos com 532 atendimentos, coisa de 400 desse aí são de virose” – pontuou.

Número de Agentes de Controle de Endemias é insuficiente – diz secretária

Outro fato destacado pela secretária é a quantidade de Agentes de Controle de Endemias (ACE). Segundo Anne, o município conta apenas com seis deles, número que a mesma admite como sendo insuficiente.

“Recentemente, eu fui para uma reunião com o Secretária Estadual de Saúde para solicitar mais apoio. Estamos com a UBV pesada (máquina de fumacê acoplada a veículo) com dois técnicos do estado e eles ficaram de encaminhar mais dois técnicos para ajudar no bloqueio aos focos positivos de (mosquito) Aedes” – pontuou.

A secretária também citou que a população também tem que auxiliar a fazer o seu papel, que é de auxiliar no combate aos focos do mosquito transmissor, evitando os focos de água parada.


Pacientes de outras cidades (a exemplo de Santa Cruz do Capibaribe) e do vizinho estado da Paraíba são vistos no município a procura de atendimento médico

Conheça um pouco sobre a Febre Chikungunya

A Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue e seu modo de transmissão mais comum é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado.

Possui sintomas como febre, mal-estar, dores pelo corpo e de cabeça, apatia e cansaço. Possui grande diferença em relação a Zika Vírus e a Dengue devido a sua forma de acometimento nas articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

Os grupos de maior risco são pacientes muito jovens e também idosos, que são mais propensos a manifestações graves da doença. Além da idade, a junção com outras doenças pode levar a morte. Em pessoas com mais de 65 anos, podem ter a taxa de mortalidade elevada em até 50 vezes quando comparados a adultos com menos de 45 anos.

Como ainda não existe medicação contra o vírus, o tratamento é feito apenas para aliviar os sintomas, além da ingestão de bastante líquido e repouso.

A detecção é feita através de vários exames, sendo um dos mais eficazes o exame de sorologia, com coleta de sangue.

Blog Ney Lima 



Na Rua São Sebastião

Nenhum comentário:

Postar um comentário