quinta-feira, 18 de julho de 2013

Justiça suspende atividades da BBom e bloqueia novos cadastros



Decisão é da 4ª Vara Federal de Goiás por suspeita de pirâmide'.
Justiça tá tinha decretado bloqueio de bens da empresa e de sócios.

A Justiça Federal de Goás determinou a suspensão das atividades da empresa de rastreadores de veículos BBom e o bloqueio do cadastro de novos associados.

A decisão é da juíza federal substituta da 4ª Vara Federal de Goiânia, Luciana Laurenti Gheller, que no dia 10 de julho já havia determinado a indisponibilidade dos bens da empresa e de seus sócios por "robustos indícios" de pirâmide financeira, prática ilegal no país.

Segundo o despacho da juíza, "há evidências" de que o negócio trata-se de "pirâmide financeira". "Essa atividade desenvolvida pela empres,a aparentemente ilícita, merece ser suspensa, não devendo a liminar, contudo, atingir outras eventuais atividades desenvolvidas pela empresa", escreveu a magistrada.

Em nota, a BBom informou que "está tomando as providências judiciais cabíveis para retirar todo e qualquer impedimento às suas atividades" e diz estar "à disposição das autoridades para prestar os esclarecimentos que forem solicitados". A BBom sempre negou irregularidades ou a prática de pirâmide e se identifica como "empresa especializada em canal de vendas direta e marketing multinível".

A decisão liminar (provisória, ainda cabendo recurso), determina a "imediata suspensão" das atividades desenvolvidas pela empresa Embrasystem, conhecida conhecida pelos nomes fantasia BBom e Unepxmil, e proíbe o cadastro de novos associados bem como a captação de recursos financeiros junto aos associados que já integram a rede, "incluindo a percepção das mensalidades cobradas"

A juíza federal determinou ainda que a empresa publique em suas páginas na internet o seguinte comunicado: "Por ordem da Justiça Federal, a BBOM está impedida de receber a adesão de novos associados, seja através de seus sites, seja através dos sites de seus associados, bem como de receber as mensalidades cobradas dos associados já admitidos no sistema".

A Justiça fixou o prazo de 48 horas para o cumprimento da decisão, sob pena de aplicação de multa de R$ 100 mil por dia de atraso.

A suspensão da inclusão de novas associados à BBom, a exemplo do que também ocorreu com a Telexfree, foi um pedido da força-tarefa formada pelos Ministérios Públicos Federal e Estaduais para investigar a suspeita de pirâmide financeira.

"Esta decisão interrompe as atividades da empresa, proíbe novos cadastramentos e reforça a constatação de que se trata de uma pirâmide", disse ao G1, o promotor de Goiás Murilo de Moraes e Miranda, um dos autores da ação, lembrando que um inquérito criminal ainda está em andamento.

O promotor, que também é presidente da Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor (MPCON), informa que estão sendo investigadas no país, além da BBom e da Telexfree, outras 16 empresas por suspeita de pirâmide.

Segundo a procuradora da República Mariane Guimarães, os bloqueios servirão para ajudar as pessoas que entraram na rede a reaver o máximo possível do dinheiro investido. “O nosso objetivo é evitar novas vítimas. O consumidor precisa ficar atento, principalmente com a proliferação desses esquemas com a ajuda da Internet e das redes socais, bem como dessas promessas de ganho de muito dinheiro sem ter que vender um produto ou serviço real", afirmou, em comunicado.

Bloqueio de bens inclui R$ 300 milhões e Ferraris
Na decisão anterior, que determinou o bloqueio dos bens da BBom, a juíza entendeu existir "robustos indícios" de que o modelo de negócios "se trata, na verdade, de uma pirâmide financeira, prática proibida no Brasil e que se configura crime contra a economia popular.

Segundo comunicado divulgado na página da Justiça Federal de Goiás, o bloqueio dos bens da empresa "busca evitar a dilapidação do patrimônio da empresa, de modo a possibilitar futuro ressarcimento aos consumidores lesados".

O bloqueio inclui R$ 300 milhões em contas bancárias do grupo, além de cerca de 100 veículos, incluindo motos e carros de luxo como Ferrari e Lamborghinis, segundo os Ministérios Públicos Federal e Estaduais.

No esquema adotado pela BBom, conforme identificado pela juíza, o pagamento dos participantes depende exclusivamente do recrutamento por ele feito de novos associados. "A 'sustentabilidade' do negócio não advém da renda gerada pela venda do produto supostamente objeto da franquia, que se trata um rastreador".

Pelo modelo oferecido pela empresa, os interessados se associam mediante o pagamento de uma taxa de cadastro, no valor de R$ 60, mais uma taxa de adesão, que varia de R$ 600 a R$ 3 mil, de acordo com o plano escolhido. Depois disso, a pessoa se compromete a atrair novos associados e a pagar uma taxa mensal no valor de R$ 80, pelo prazo de 36 meses, segundo mostra a investigação do MP. Quanto mais participantes o associado consegue trazer para a rede, maior é a premiação prometida.

Segundo a força-tarefa formada por promotores e procuradores, até o fim do ano passado, antes do início das operações da “BBom", as empresas do grupo não movimentavam mais do que R$ 300 mil por ano. De acordo com o MP, em pouco mais de seis meses, o fluxo financeiro do grupo aumentou mais de 3.000%.

No entendimento do Ministério Público, como em outros casos emblemáticos de pirâmide financeira, o rastreador oferecido pela BBom seria apenas uma “isca” para recrutar novos associados, como foram os animais nos casos da “Avestruz Master” e do “Fazendas Reunidas Boi Gordo”.

A prática de pirâmide financeira é proibida no Brasil, configurando crime contra a economia popular (Lei 1.521/51).


Darlan AlvarengaDo G1, em São Paulo

As pitadas do colunista Marcelo de Oliveira Neto.


MUDOS E CEGOS

Hoje o papo ou crítica como, queiram chamar vai para nossos vereadores de oposição, que assim como os da situação estão longe de atender os anseios de quem espera por mudanças em nossa cidade, apesar de eu considerá-los mais espertinhos que os outros.

Gostaria muito de saber quandos vocês vão começar a abrir os olhos para uma série de coisas que acontecem em Jataúba, vejo cobrança por transparência no transporte escolar, como se fosse fazer alguma diferença, a planilha de custo do município pode ser diferente da do Estado, que relevância isso tem realmente, outras coisas deveriam ser mais transparentes.

Como o Portal da Transparência, algum de vocês pode me explicar o por que dele ainda não estar funcionando? Ouvi ainda se falar dentro da Câmara sobre nepotismo, algum de vocês foi atrás para saber se ele existe mesmo?

Aquele de projeto de Lei aprovado para subsidiar material de construção algum dos senhores ou senhora descobriu qual o critério usado para este auxílio ou se ele já esta em prática?

E a farra dos CARGOS COMISSIONADOS quando algum de vocês vão se manifestar e tentar por fim a isso cobrando a execução de um CONCURSO PÚBLICO, e até mesmo melhorar as condições de trabalhos das pessoas que exercem algumas dessas funções.

Poderia falar de mais uma série de coisas como: estação de tratamento de esgoto, aterro sanitário, o matadouro no meio da cidade, falta de programas de qualificação de mão de obra e outros.

Espero que todos estes assuntos estejam na pauta de vocês e que esta seja colocada em prática com uma certa urgência, assim como eu muitos anseiam que voc6es não se façam de MUDOS para todos estes assuntos.

Como muitos costumam postar em redes sociais #ficaadica.

Serra candidato a presidente pelo PSD



Numa conversa, ontem, em Brasília, com o presidente nacional do PPS, Roberto Freire, o marqueteiro pernambucano Marcelo Teixeira, da Makplan, saiu convencido de que o ex-governador de São Paulo, José Serra, disputa, mais uma vez, o Palácio do Planalto.

Serra sinaliza, segundo relato de Freire a Teixeira, para a disputa por uma nova legenda, estando, assim, com os dias contados no PSDB, partido que já tem um candidato em campanha: o senador mineiro Aécio Neves.
Duas legendas estão sendo analisadas por ele: o PSD e o PPS, sendo a primeira a preferida. Serra ficaria mais a vontade do PSD pelo fato de o partido estar sob o controle de um velho aliado – o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.
E o que mudaria na sucessão presidencial? Para Marcelo Teixeira, as oposições só tendem a ganhar com o ingresso de Serra, porque o ex-governador tem forte inserção no eleitorado do Sudeste, especialmente em São Paulo, garantindo, portanto, a realização do segundo turno.
Quem fica com uma pulga atrás da orelha com esse fato novo é Aécio, porque ganharia um forte concorrente no bloco oposicionista. Serra tira os votos preciosos que Aécio precisaria em São Paulo para ir ao segundo turno.
Marina Silva, que não tem ainda legenda para concorrer, provavelmente venha a ser a mais beneficiada com a divisão, porque assistiria de camarote uma briga entre Serra e Aécio, uma vez que seu eleitorado, hoje em torno de 20%, segundo a última pesquisa CNT, é diferenciado, sem o mesmo perfil daqueles que preferem Serra ou Aécio.

Manifestantes se unem e apedrejam prédio da Globo


Coquetéis molotov foram lançados e a porta do prédio foi arrombada -Foto: Daniel Ramalho / Terra

Duas manifestações complicavam o trânsito na zona sul do Rio desde o fim da tarde. A primeira ocorria perto da residência do governador Sérgio Cabral (PMDB), na esquina da avenida Delfim Moreira com a rua Aristides Espínola, no Leblon. Na outra, moradores da Rocinha, na Gávea, protestavam por causa do desaparecimento de um morador da comunidade. Após deixarem a porta da casa de Cabral, o grupo saiu em passeata pelas ruas do Leblon. No caminho, apedrejaram um prédio administrativo da Rede Globo. Coquetéis molotov foram lançados e a porta do prédio foi arrombada. Seguranças lançaram água de extintores no grupo que tentava forçar a entrada no local. Um carro do SBT foi pichado. (Informações do Portal Terra - Cirilo Junior)
Clique aí e leia na íntegra: RJ: protestos se unem e manifestantes apedrejam prédio da Globo