sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Mulher mata gravida pra retira bebê da barriga no pará



Uma mulher é suspeita de ter matado uma mulher grávida para retirar o bebê da barriga dela na cidade de Marituba, região metropolitana de Belém, no Pará. O crime teria ocorrido no dia 11 de julho, mas somente na terça-feira (30) o corpo da gestante foi localizado.

Segundo o delegado Éder Mauro, Elizabeth Cardoso da Conceição vendia refrigerante em uma praça da cidade e estava grávida de oito meses. A suspeita se aproximou como cliente ao notar a gravidez e frequentava diariamente o ponto. De acordo com Mauro, ela namorava um rapaz havia três anos e ele queria ser pai, mas ela não conseguia engravidar.
A mulher forjou uma gestação e chamou Elizabeth em casa com a desculpa de entregar roupas para a criança. Ela foi agredida e quando desmaiou teve a barriga cortada com uma gilete, segundo a polícia. O bebê foi retirado e a vítima enterrada ainda viva no quintal da casa da suspeita.

A mulher ligou para o namorado e disse que deu à luz em casa. Eles levaram o bebê até um hospital, mas a criança chegou morta. A família de Elizabeth registrou o desaparecimento em uma delegacia da cidade.(R7)

Ex-deputada condenada por improbidade administrativa


 

A ex-deputada estadual Elina Carneiro foi condenada pela Justiça em processo por ato de improbidade administrativa. A sentença foi proferida pela juíza de Jaboatão dos Guararapes, Valéria Maria de Lima Melo, e, entre outras coisas, determinou multa civil de dez vezes o valor do salário de deputada estadual, pouco mais de R$ 200 mil. Foi determinada também a suspensão dos direitos políticos dela por quatro anos, além de impedimento de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica caso seja sócia majoritária

Elina Carneiro foi condenada por envolvimento no caso da Fundação Yapoatan, no qual a sua irmã, Solange Carneiro, pleiteou uma indenização trabalhista que chegou ao montante de R$ 960 mil. O MPPE conseguiu comprovar que a ex-deputada Elina Carneiro sabia que o acidente foi provocado pela irmã. Apesar disso, teria sido a responsável por uma reunião, na sede da Fundação, para instruir os funcionários a declararem o acidente de trabalho.(Do Diario de Pernambuco)

Ibope: Dilma foi quem mais perdeu com manifestações


 

Todas as principais instituições perderam boa parte da confiança dos brasileiros após os protestos de junho. Mas, entre elas, nenhuma perdeu mais do que a presidente da República: três vezes mais do que o resto. É o que mostra uma pesquisa nacional do Ibope, chamada Índice de Confiança Social. Feita anualmente desde 2009, a edição de 2013 foi divulgada nesta quinta-feira.

Entre 2012 e julho passado, todas as 18 instituições avaliadas pelo Ibope se tornaram menos confiáveis aos olhos da opinião pública. É um fato inédito nas cinco edições da pesquisa. O índice de confiança nas instituições caiu 7 pontos, de 54 para 47, e, pela primeira vez, ficou na metade de baixo da escala, que vai de 0 a 100. Na primeira edição, em 2009, marcava 58.

Nenhuma instituição passou incólume pela onda de protestos. Dos bombeiros aos partidos políticos, das igrejas aos sindicatos, todas as instituições se tornaram menos confiáveis para a população - inclusive os meios de comunicação, governo federal, prefeituras, Congresso e Judiciário. Uns mais, outros menos.

A confiança na instituição "presidente da República" foi a que mais sofreu. Perdeu 21 pontos em um ano. É três vezes mais do que a perda média de confiança das 18 instituições pesquisadas. Em 2010, com Lula no cargo, a Presidência era a 3º instituição mais confiável, atrás apenas dos bombeiros e das igrejas. (informações de O Estado de S.Paulo - José Roberto de Toledo)

Clique aí e leia matéria na íntegra: Ibope: protestos derrubam credibilidade das instituições

Renda per capita fica abaixo em 48% dos municípios

Mesmo com o avanço do País no Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) nas últimas duas décadas, a renda per capita de quase metade dos municípios do Brasil em 2010 era inferior à média nacional registrada no ano de 1991. O dado foi revelado pelo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013, lançado pelo Pnud.

O levantamento aponta que 2.663 cidades, o que corresponde a 48% do total, tinham renda per capita mensal em 2010 abaixo de R$ 447,56, que era a média do País em 1991.

De acordo com matéria de O Globo, o Nordeste responde por 1.717 municípios nessa situação. Em seguida vem o Norte, com 364. Depois estão o Sudeste (424), Sul (80) e Centro-Oeste (78).

Ainda de acordo com a publicação, o fato de estarem abaixo da média nacional após 20 anos não significa que esses municípios tenham parado no tempo. O economista Marco Aurélio Costa, coordenador do Atlas no Ipea, órgão parceiro do Pnud na elaboração do relatório, afirma que o problema é que esses locais tinham níveis de renda per capita tão baixo em 1991 que, mesmo crescendo em velocidade superior à do País, chegaram a 2010 abaixo da média nacional de 20 nos antes.

Ainda segundo Costa, os 2.663 municípios tinham 45 milhões de habitantes. Eles eram majoritariamente de pequeno porte.






“O Brasil até 1980 era um destaque econômico e uma decepção social. O milagre foi econômico. As duas últimas décadas são um período em que o Brasil tem um destaque social. A gente evoluiu”, diz o ministro interino da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Marcelo Néri, que é também presidente do Ipea.

Sancionada lei que atende vítimas de violência sexual


Agência Brasil (Brasília) – A presidenta Dilma Rousseff sancionou nesta quinta-feira (1°) integralmente, sem vetos, a lei que obriga os hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) a prestar atendimento emergencial e multidisciplinar às vítimas de violência sexual. O projeto que deu origem à lei foi aprovado pelo Senado no começo de julho.

O atendimento a vítimas de violência deve incluir o diagnóstico e tratamento de lesões, a realização de exames para detectar doenças sexualmente transmissíveis e gravidez. A lei também determina a preservação do material coletado no exame médico-legal.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que a sanção transforma em lei práticas que já eram recomendadas pelo Ministério da Saúde. “Ao ser sancionado, [o projeto] transforma em lei aquilo que já é uma política estabelecida em portaria, que garante o atendimento humanizado, respeitoso a qualquer vitima de estupro. Estou falando de crianças, adolescentes, pessoas com deficiência mental, homens e mulheres, qualquer cidadão brasileiro.”

O governo manteve na lei a previsão de oferecer às vítimas de estupro contraceptivos de emergência – a chamada pílula do dia seguinte – e vai encaminhar ao Congresso Nacional um projeto de lei complementando a forma como a prescrição está descrita na lei. De acordo com Padilha, o termo “profilaxia da gravidez” será complementado com uma explicação sobre a “administração da medicação com eficiência precoce para a gravidez decorrente de estupro”, que estava no projeto original. O complemento, segundo o ministro, corrige qualquer interpretação de que a medida poderia estimular abortos na rede pública.

No projeto que será encaminhado ao Congresso, o governo também vai corrigir uma imprecisão sobre o conceito de violência sexual. A nova redação considera violência sexual “todas as formas de estupro, sem prejuízo de outras condutas previstas em legislação específica”. Do jeito que está na lei sancionada hoje, o texto poderia excluir do conceito crianças e pessoas com deficiência mental, que não têm como dar ou não consentimento para atividade sexual.

De acordo com a lei, o paciente vítima de violência sexual deverá receber no hospital o amparo psicológico necessário e o encaminhamento para o órgão de medicina legal e o devido registro de boletim de ocorrência. Os profissionais de saúde que fizerem o atendimento deverão facilitar o registro policial e repassar informações que podem ser úteis para a identificação do agressor e para a comprovação da violência sexual.

Falha da BBom permite vazamento de dados de associados

 Uma falha permitiu que os boletos de cobrança da BBom com dados de seus associados fossem consultados por terceiros na internet. Foi o mesmo tipo de vazamento ocorrido com informações de divulgadores da Telexfree . Ambas as empresas, que juntas tem aproximadamente 1,3 milhão de integrantes no Brasil segundo seus responsáveis, estão bloqueadas por decisões judiciais, sob suspeita de serem pirâmides financeiras.

Procurada, a BBom informou que a falha foi corrigida na manhã da quarta-feira (31). A empresa nega ser uma pirâmide financeira .

O vazamento permitia que qualquer pessoa baixasse, do site da BBom, boletos de cobrança de terceiros, sem a necessidade de colocar alguma senha. Bastava que se fizesse uma busca pela palavra “boleto” restrita à página da empresa.

A falha foi revelada por Manoel Netto, do blog Tecnocracia , que também encontrou o mesmo erro no sistema da Telexfree . ”São erros muito mirins, de programador iniciante (e provavelmente é) lidando com dados sensíveis de pessoas”, diz Netto, sobre as falhas na Telexfree e na BBom.

Nesta quarta-feira (31), a reportagem conseguiu baixar cinco boletos em nome de cinco pessoas diferentes. O valor cobrado em todos os casos, R$ 3 mil, é equivalente ao preço do pacote ouro, um dos que podiam ser adquiridos pelos interessados em entrar na rede de associados da BBom.

Diferentemente do caso da Telexfree, em que os boletos tinham vencimentos com datas posteriores ao bloqueio judicial, todas as cobranças da BBom são referentes a maio – a empresa só teve as contas congeladas pela Justiça em julho.

Pirâmide x marketing multinível

Braço da Embrasystem, atuante no mercado de rastreamento de veículos e pessoas, a BBom é descrita por seus responsáveis como uma rede de marketing multinível que, em menos de seis meses, atraiu 300 mil associados com promessas de lucros expressivos. Grandes revendedores, por exemplo, foram premiados com carros de luxo.

O Ministério Público Federal em Goiás (MPF-GO) e o Ministério Público do Estado (MP-GO) consideram que o negócio é uma pirâmide financeira. Isso porque, entendem, a BBom depende das taxas de adesão pagas pelos associados para se manter, e não da venda das assinaturas de rastreamento.

Segundo a procuradora da República Mariane Oliveira, a BBom vende mais rastreadores do que consegue entregar . A empresa afirma ter capacidade de atender à demanda.

Em 10 de julho, a juíza Luciana Gheller, da 4ª Vara Federal em Goiás, determinou por liminar (decisão temporária) o bloqueio das contas da Embrasystem , a pedido do MPF-GO e do MP-GO. No dia 17 do mesmo mês, a BBom também foi impedida de fazer novos cadastros .

O recurso da defesa está nas mãos do desembargador Carlos Moreira Alves, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) desde 19 de julho .

Em vídeo divulgado na internet nesta terça-feira (30), o dono da Embrasystem, João Francisco de Paulo, reiterou a legalidade das atividades da empresa e a acusação, já feita em entrevista ao iG , de que adversários da empresa têm plantado informações contrárias à BBom.

Vitor Sorano - iG São Paulo

Em Iati, casos de diarreia saíram de 40 para 571 em um mês.




A pouca água que o município recebe é tratada de forma precária pelas mãos do próprio povo.

Faltou maca, cadeira, cama e espaço no hospital Nossa Senhora da Conceição, em Iati (Sertão), semanas atrás. Os funcionários tiveram que atender um número inédito de doentes, quase todos com forte diarreia. Acostumados a cuidar de cerca de 40 pacientes com DDA por mês, eles receberam 571. Segundo Kelyton Costa, do Departamento de Vigilância em Saúde, a água que abastece Iati vem de dois reservatórios, um em Saloá e outro em Paranatama. De lá, ela passa por uma estação de tratamento que está, segundo ele, desativada. A estação pertence ao município, cujo prefeito é Jorge de Melo Elias (PTB). O único tratamento é o cloro colocado pela Secretaria de Saúde da cidade no reservatório de 210 mil litros, além do hipoclorito que a população recebe (são necessárias duas gotas do produto para cada litro de água).



Nem todos, porém, recebem o produto ou são orientados pelos agentes de saúde. É o caso da comunidade do Retiro, área rural de Iati. Ali, no dia 24 de maio, morreu Ágata Maria de Jesus Silva, 2 meses. A mãe, Maria Jaqueline, 19 anos, se assusta quando é procurada pela reportagem. “Falaram que fui eu que matei minha filha.” Mas o que matou Ágata foi o racismo ambiental. A água usada na casa de Jaqueline, uma construção simples, de taipa, é fornecida pelo Exército e guardada em uma cisterna a poucos metros da casa da agricultora. “Ela estava mamando, mas parou. Comecei a fazer o leite usando a água que sempre bebemos e nunca tivemos problema.” A menina ficou doente no domingo. Na terça, passou a noite com diarreia. Foi levada para o hospital na quarta de manhã. Não havia médico. Foi então, com a mãe, de ambulância até Garanhuns, onde seria hospitalizada. Morreu no caminho.


Jaqueline, assim como os vizinhos, recebem com irregularidade a visita de agentes de saúde. Lucilene de Jesus Silva, 34, diz que a comunidade foi visitada há alguns dias, o que não acontecia desde outubro de 2012. “Só depois que muita gente aqui ficou doente é que eles vieram umas duas vezes.” Meire Cristina Barbosa, 37, mora na frente da casa de Jaqueline, também diz não receber visitas ou hipoclorito dos agentes. Seus cinco filhos ficaram doentes há poucas semanas, dois deles durante mais de 8 dias. Tiveram sorte: eram maiores (5 e 9 anos) que várias das crianças que terminam morrendo. A mãe não deu remédios – não tinha dinheiro para isso – e investiu em chás. “Aqui nós melhoramos com o tempo mesmo, sabe?”


DUAS GOTAS - Também moradora da área rural de Iati, Marluce da Silva, 40, recebe o hipoclorito regularmente. Confessa que passou tempos usando para outros fins, como limpar a casa (quando ficava sem água sanitária). “Começamos a ficar doentes da barriga, eu, meu marido e meus três filhos. E não foi só uma vez, foram várias.” Marluce começou a usar o hipoclorito e os resultados foram rápidos: há um mês ninguém da sua família apresentou os sintomas da DDA. “Agora eu falo para o pessoal usar também. Lá no sítio, tem muita gente ficando doente.”


Fabiana Moraes - Jornal do Comércio.

Cada parlamentar pode ter cota de R$ 10 milhões



Diante da pressão de ter a cada semana o risco de ver aprovadas as chamadas pautas-bomba do Congresso, com impactos fiscais, a presidente Dilma Rousseff iniciou um movimento para tentar aumentar este ano a média de emendas liberadas por parlamentar, principalmente para os aliados. Se todas as promessas forem cumpridas, ou seja, se o governo liberar, de fato, os R$ 6 bilhões autorizados terça-feira pela presidente Dilma, os parlamentares terão R$ 10,1 milhões em emendas empenhadas (autorizadas para pagamento futuro) este ano, contra a média de R$ 7,5 milhões registrada ano passado.

Todos os anos, os 594 parlamentares apresentam emendas no valor de R$ 15 milhões para cada um, mas esse valor nunca é totalmente liberado pelo governo. A promessa feita nos bastidores aos parlamentares da base é que a cota para empenho - que está em apenas R$ 3 milhões por parlamentar até o momento, contabilizando os R$ 2 bilhões autorizados em junho -, dobre para R$ 6 milhões até a próxima semana. O empenho é a garantia de que um dia a emenda será paga. Se não neste ano, nos próximos. As informações são do Jornal OGlobo.

E como falariam .....

Coluna da sexta-feira

Adicionar legenda



Sócio do PT

Recife não está mudando da água para o vinho, conforme prometeu em campanha o prefeito Geraldo Júlio (PSB). A cidade não apresenta nenhum sinal de melhora ou que está avançando nessa direção. Buracos, lixo, ruas maltratadas, esgotos a céu aberto, trânsito caótico, insegurança, Recife continua como a cantiga da perua, de mal a pior.

A única diferença, na verdade, que existe entre a gestão de Geraldo e a João da Costa está numa ciclovia móvel aos domingos e feriados, servindo apenas para adoçar a boca da classe média, que encontrou no pedalar pela cidade um escape para fugir de casa e da monotonia domingueira.

Geraldo não diz às razões que emperram a sua gestão, mas é sabido que herdou uma tremenda herança maldita do PT, está de caixa vazio, sem dinheiro, portanto, para inovar e começar a tirar do papel as promessas que rechearam o seu programa eleitoral.

Revelar o tamanho do buraco era imprescindível, mas o prefeito nunca tocou no assunto por razões óbvias: mantém em seu governo uma parte do PT. E o que é mais grave: a corrente petista de João da Costa, a quem entregou de bandeja uma das áreas mais importantes do governo, a habitação, a um neófito no assunto, Eduardo Granja, cujo destaque em seu currículo é pontificado pela marca de protegido do ex-prefeito.

Geraldo não abre o bico, portanto, porque governa com uma banda do PT. Infelizmente, a banda que tanto mal fez a cidade. Parece que o prefeito não entendeu que o voto de confiança dado a ele foi para fazer diferente.

A população votou para tirar o PT do poder, mas Geraldo, não se sabe as razões, promoveu o PT sócio da sua gestão.

QUEM NÃO CHORA, NÃO MAMA– A presidente Dilma tem em seu poder um levantamento sobre o descontentamento do PMDB com o seu Governo. A maioria, ao contrário do que prega o líder na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), não quer rompimento. Segundo o raio-X palaciano, apenas 15% dos deputados não querem apoiar a reeleição de Dilma em 2014. Quanto aos 85% restantes, não querem romper, mas desejam mais espaço no Governo.

Partido dos descontentes–
Disposto a disputar um mandato de deputado federal em 2014, o engenheiro Kiko Beltrão(foto) ainda não escolheu o partido, mas quando pergunta sobre a sua legenda responde de supetão: PDJQ. Tradução? Partido dos Descontentes com José Queiroz, prefeito de Caruaru.
Briga por herança – Lamentável, mas os familiares do cantor Dominguinhos, falecido no último dia 23, já iniciaram a luta pelos bens do músico. A briga teria iniciado antes mesmo de o sanfoneiro morrer. Filho do primeiro casamento do artista, Mauro Moraes e a meia-irmã Lívia Moraes, além da ex-mulher Guadalupe Mendonça, não conseguem chegar a um consenso sobre a partilha dos bens.

Venda de bebês– As denúncias sobre venda de bebês em Pernambuco pela internet apontam para um esquema de comercialização através de uma página criada no início do mês passado na rede social Facebook. As investigações estão sendo conduzidas pela Polícia Civil, Ministério Público e Poder Judiciário. Bebês teriam sido vendidos a R$ 2 mil.

Mensalão disfarçado–

O deputado Sérgio Guerra, ex-presidente nacional do PSDB e atual presidente do Instituto Teotônio Vilela, interpreta a decisão da presidente Dilma em liberar R$ 6 bilhões em emendas parlamentares até outubro como uma forma de amenizar o clima azedo no Congresso com o Governo. “Trata-se de um mensalão disfarçado”, ironizou.

CURTAS

NOVAS FRENTES– Até o final deste mês, o Ministério da Integração espera abrir 17 frentes de serviço das obras da Adutora do Agreste, que transportará água do rio São Francisco para 68 cidades, 80 distritos e povoados do Agreste pernambucano. O valor da obra está orçado em R$ 2,3 bilhões.

PLANO– A prefeita de Arcoverde, Madalena Britto (PTB), começou a discutir com a sociedade o Plano Plurianual 2014-2017. “A população tem agora a oportunidade de participar diretamente da formulação dos projetos e ações que nortearão o governo ao longo dos próximos quatro anos”, disse a trabalhista.

Perguntar não ofende: O Recife parou?

"A sabedoria do prudente é entender o seu caminho, mas a estultícia dos insensatos é engano". (Provérbios 14-8)
Blog do magno martins