quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Éhhhhh Hojeeeee!!! Coquetel de reinauguração da loja Femina Modas One Stores.



  É com muito Prazer que a Femina Modas convida você para a reinauguração de sua nova loja,apresentando a todos o espaço One Store.
 Venha e conheça as novidades que estamos preparando para você.
  Hoje a noite ás 20:30, Rua:Expedicionário Inácio Aleixo, N° 168.

Luanny Silva .

Dilma diz que o povo saberá diferenciá-la de Marina


Dilma tira selfie em Minas Gerais - Foto: Divulgação

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, não quis comentar o que a entrada de Marina Silva (PSB) na disputa presidencial muda em sua estratégia de campanha, já que as pesquisas mostram a ex-vice de Eduardo Campos em empate técnico com Aécio Neves (PSB) e vencendo a presidente num segundo turno. No entanto, ela disse que o eleitor saberá diferenciá-la de Marina, que também foi ministra do governo do ex-presidente Lula.

Logo depois de visitar uma escola técnica do Senai em Belo Horizonte na condição de presidente, Dilma deu uma entrevista como candidata exaltando avanços no país iniciadas no governo Lula. Ela evitou fazer comentários sobre Marina, mas foi direta quando perguntada sobre como o eleitor a diferenciaria como herdeira do legado de Lula se Marina também foi ministra do ex-presidente.

— O povo saberá fazê-lo.

Ao ser questionada se passará a mirar em Marina como principal oponente no lugar de Aécio, que venceria no segundo turno segundo as pesquisas, Dilma desconversou:

— Tenho como tradição não comentar pesquisa. Não dou opinião sobre candidato. Tenho um objetivo: aproveitar o momento eleitoral para mostrar o que o meu governo fez e não está bem mostrado —afirmou Dilma, insistindo para que a entrevista se concentrasse no Pronatec, programa de bolsas de estudos para estudantes do ensino médio em escolas técnicas. (De O Globo - Alexandre Rodrigues)




A namoradinha da cidade

Campanha: Dilma grava hoje em PE cenas para TV



A presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula desembarcam, hoje, no Sertão de Pernambuco. A primeira cidade onde a dupla passará é Cabrobó, às 10h. De lá, seguem para Floresta, às 12h. O objetivo da viagem é gravar imagens para a propaganda eleitoral. Por isso a decisão de visitar às cidades por onde passa a Transposição do Rio São Francisco.

À tarde, Dilma e Lula vão para Batatinha, em Paulo Afonso, na Bahia, onde visitarão o programa de construção de cisternas do local. A viagem da presidente e do ex-presidente estava agendada para o último sábado, mas foi adiada por causa do trágico acidente que vitimou o ex-governador Eduardo Campos (PSB), em Santos, São Paulo.

Lula e Dilma vão almoçar em Floresta, no canteiro de obras da transposição. Prefeitos locais receberão os petistas, entre eles Rorró Maniçoba (PSB), prefeita de Floresta, adversária da Coligação Pernambuco Vai Mais Longe, grupo apoiado pela presidente e pelo ex-presidente no Estado e liderado pelo candidato a governador de Pernambuco Armando Monteiro (PTB).

Do Diario de Pernambuco – Larissa Rodrigues
Escrito por Magno Martins



Vista-se bem com a..

Tiririca, sempre ele, ataca de novo


Depois de ser o candidato mais votado nas eleições de 2010, quando obteve mais de 1,3 milhões de votos na disputa pela Câmara Federal, o cantor e palhaço Tiririca usa a mesma fórmula para tentar repetir a votação. Na última campanha ele apostou no humor e teve sucesso, ao cunhar o slogan “Pior do que tá não fica”. 

Desta vez ele, lança mão de uma imitação de Roberto Carlos – relembrando uma propaganda de uma indústria de carnes -, para defender a sua reeleição.

“Não foram só as pessoas simples que votaram em mim. Até você vota em mim, bicho?”, indaga o palhaço. Surge então “Roberto Carlos” cantando uma versão da música O Portão: ”Eu votei, de novo eu vou votar. Tiririca, Brasília é seu lugar. Que ‘bifões’, bicho. Com certeza.”,ironiza o candidato, que repete a encenação.

Blog da Folha 



Venha você também para..

Marina deve perder apoio e tempo no guia eleitoral


Parlamentares e líderes partidários não querem pedir votos para a socialista (Fabio Rodrigues ABr)

A candidatura de Marina Silva (PSB) para a Presidência da República no lugar de Eduardo Campos não está sendo bem digerida por aliados do ex-governador, que faleceu na última semana. Mesmo sendo a opção mais condizente, alguns parlamentares e líderes partidários que fazem parte da coligação Unidos pelo Brasil não querem pedir votos a líder da Rede Sustentabilidade. Muitos devem anunciar que irão “abandonar o barco” e apoiar outras postulações.

Presidente do PSL, Luciano Bivar declarou que não está confortável com a candidatura de Marina. Segundo ele, a socialista deve assinar algum documento para garantir o acordo que a coligação teve com o partido. “Há uma série de coisas, inclusive a segurança jurídica da politica rural, da justificação dos tributos, e ela (Marina) está relutando em assinar qualquer documento nesse sentido, então está ficando muito difícil”, disse o social-liberal, em entrevista à Rádio Folha FM, 96,7.

De acordo com ele, a decisão do PSL é independente de outras siglas. A saída do partido da coligação pode causar ainda mais prejuízo à candidatura de Marina. A chapa pode perder cerca de 30 segundos na propaganda eleitoral, diminuindo ainda mais o curto tempo de tevê, que conta com apenas dois minutos e três segundos no guia. A decisão do PSL deve ser tomada nesta quinta-feira (21), em reunião junto com outras legendas da base aliada.

“Eu acho que o partido da gente não tem essa densidade eleitoral, mas de toda sorte é uma responsabilidade nossa. Eu não digo subjetiva, mas uma responsabilidade firmada pelos nossos comprometimentos, com a Executiva Nacional e com os demais signatários”, completou Bivar.

Um dos parlamentares que pode declarar desistência de apoio da candidatura do PSB é o deputado Cadoca (PCdoB). Questionado sobre a nova posição do parlamentar, a deputada federal Luciana Santos (PCdoB) confessou que realmente há uma mudança no processo, mas que nada ainda foi decidido. “Eduardo (Campos) tinha uma ligação histórica com o próprio Cadoca. Ele participou da vitória de Geraldo Julio (nas eleições de 2012). Isso criou laços. Agora não vamos fazer exigência nenhuma. Ele vai ficar à vontade. Mas há uma tendência de ter mais afinidade com a candidatura de Dilma (Rousseff – PT) mesmo”, relatou a parlamentar, também em entrevista à Rádio Folha 96,7.

Outros parlamentares do Estado também podem voltar atrás e não apoiar a candidatura de Marina Silva. Os líderes do DEM (deputado Mendonça Filho), e do Solidariedade (deputado Augusto Coutinho) no Estado, devem se aliar as posições das Executivas Nacionais – os dois partidos, DEM e SDD, apoiam a candidatura de Aécio Neves (PSDB) à Presidência da República.

Blog da Folha


Referencia