sábado, 24 de agosto de 2013

Hoje a parti das 5 ate as 8 da noite se apresentara em frente ao banco do brasil a equipe radical.








Os organizadores do evento Gabriel Sales Venâncio e Junior silva   

Passando pra desejar um belo final de semana pra todos leitores deste blog .

Primeiros médicos estrangeiros chegam ao Recife e reclamam do tratamento de colegas brasileiros


Os médicos cubanos só chegam ao Recife neste sábado. Em dois voos, às 13 e 30 horas e 15 e 30 horas.
Nesta sexta-feira, desembarcaram no Aeroporto Internacional dos Guararapes os primeiros médicos recebidos pelo programa do governo Federal. Eles chegaram da Espanha. Todos médicos espanhóis.
Na chegada, eles criticaram da polêmica criada com a importação, pelos profissionais médicos brasileiros.
Rafael Dequintas Frutos, de 59 anos, com 38 anos de experiência, é cirurgião geral e medicina geral, médico de Sevilha, disse que veio ao Brasil por amor, pois a mulher é brasileira e gostaria de voltar ao país. Mesmo ganhando um pouco menos, cerca de R$ 1 mil, em relação ao que recebia em euros.
“Espero não ser mal recebido”, observou. Depois de fazer um pequeno curso no Brasil, vai trabalhar na Bahia da Traição, na Paraíba.
Domingos Gonzales Galvan, de 56 anos e 32 anos de experiência, contou que, por conta da situação econômica na europa, estava ganhando mal e estava fugindo da crise. Ele vem das Ilhas Canárias e vai para Água Branca, na Paraíba.
O terceiro médico espanhol, de nome Bladimir Quintano Remédios, de 46 anos e 26 de experiência, veio de Madri e é médico da família. Ele vai ficar no Recife. Ele disse que planeja aposentar-se no Brasil, depois de já ter conquistado a maturidade profissional.
Um total de 19 médicos deve chegar nestes primeiros dias, vindos de Portugal, Espanha, Argentina e brasileiros que moravam no exterior. Eles vão trabalhar em estados como Pernambuco, Alagoas, Paraíba, Sergipe e Minas Gerais.
Os cursos serão realizados em uma unidade da Universidade Federal em Vitória de Santo Antão, nas próximas três semanas. Neste período, ficarão alojados em instalações do Exército no Recife.

Operadoras avisam: créditos sem validade deixarão pré-pago mais caro



Semana passada, um tribunal federal decidiu que os créditos do pré-pago não terão mais prazo de validade. Se você recarregar com R$ 13, por exemplo, não terá apenas 30 dias para usá-los – você pode usá-los quando quiser.

Esta semana, as operadoras disseram que não gostaram da novidade, e que essa alegria vai durar pouco: sem o prazo máximo nos créditos, os serviços do pré-pago podem ficar (ainda) mais caros. Por que, operadoras?

Basicamente, porque linhas pouco ativas custam caro para elas. Até então, isso era compensado pelo prazo de validade: se você quer continuar usando a linha, deposite mais dinheiro nela. Agora, essa fonte de renda pode secar.

Além disso, há os impostos: cada operadora precisa recolher, todo ano, R$ 13,42 para cada linha ativa – mesmo que seja pouco usada. Esta é a taxa anual do Fistel (Fundo de Fiscalização das Telecomunicações). Multiplique isso pelos 265 milhões de linhas móveis em funcionamento, e você chega a um valor enorme.

Como resolver isto? Corre na Câmara dos Deputados um projeto de lei que isenta as linhas pré-pagas do Fistel, assim como de outros impostos federais. Dessa forma, o governo pode abrir mão de aproximadamente R$ 5 bilhões por ano. Com o projeto, relatado pelo deputado Jeronimo Goergen (PP/RS), os créditos não teriam validade.
Nova taxa para o pré-pago?

Mas o Sinditelebrasil, órgão que representa as empresas de telecomunicações no Brasil, não está convencido. Em nota à imprensa, eles sugerem criar uma “taxa de disponibilidade” diária, já existente em outros países.

Nos EUA, há uma “taxa de acesso” no serviço pré-pago. Quando você usa o celular, além do valor da ligação/SMS, cobra-se uma taxa de US$ 0,99 a US$ 3. Ela é descontada uma vez por dia, e apenas quando você usa a linha. Mesmo assim, lá os créditos expiram!

Fora do Brasil, até onde sabemos, crédito pré-pago com validade ilimitada é algo raro. Algumas operadoras pequenas – como STI Mobile, Venture Mobile e Xtreme Mobile – ofereciam isso nos EUA, mas elas deixaram de existir. Na Austrália, a pequena SavvyTel oferece “créditos que nunca expiram“, desde que você use a linha dentro de seis meses; no entanto, caso você não insira créditos, é preciso pagar uma taxa de “administração de conta” a cada três meses.
Muita linha, pouco uso

Qual o problema de uma linha pré-paga pouco ativa? Primeiro, há a questão do imposto, que já mencionamos. Segundo, é caro deixá-la funcionando 24 horas por dia, mesmo que boa parte dos clientes pré usem pouco a linha (algumas só recebem ligações).

Mas se o cliente pré-pago é tão incômodo para a operadora, por que é tão fácil comprar chips pré-pagos por aí? Eu preciso ouvir alguém gritando “CHIP DA TIM VIVO CLARO E OI SÓ CINCO REAIS” na rua, e as operadoras reclamam que há muito cliente pré-pago gastando pouco? Ou essas empresas são loucas, ou os clientes na verdade lhe rendem um bom lucro – que está prestes a diminuir.

O Sinditelebrasil ainda diz que, sem a validade nos créditos, a quantidade de linhas vai aumentar ainda mais, agravando o problema da escassez de números. Mas não é por isso que estamos adicionando o dígito 9 à frente dos números atuais? A Anatel já avisou que, até 2016, o país inteiro terá um dígito a mais no celular – então isso não é realmente um problema.

Há muitos argumentos a favor de abolir os créditos com validade. Na decisão judicial que começou tudo isto, o desembargador federal Antônio Souza Prudente diz que a prática é abusiva, “por não tratar com isonomia usuários de menor poder aquisitivo”, e a definiu como um “confisco antecipado dos valores pagos”.

Mas não adianta: o Sinditelebrasil avisa que as operadoras devem recorrer da decisão judicial para manter a validade dos créditos do pré-pago. Vamos ver no que vai dar.

Waldemar Borges destacou poder dos blogs




O deputado Waldemar Borges participou, nesta quarta-feira (21.08), da abertura do 1º Seminário Alepe Digital. O encontro de radialistas e blogueiros pernambucanos é realizado pela Assistência de Comunicação Social da Assembleia Legislativa, em conjunto com a Escola do Legislativo e o portal de notícias O Nordeste. O evento tem o objetivo de estreitar a relação da Casa Joaquim Nabuco com os comunicadores e ampliar a divulgação de informações sobre os trabalhos parlamentares.

O líder do Governo ressaltou que os comunicadores são detentores de um instrumento de grande alcance nas cidades. “O que mobiliza a opinião pública de um município hoje são os blogs”, constatou Borges. O parlamentar disse que isso revela o tremendo potencial e a grande penetração que esse instrumento tem. “Acho que essa grande penetração é proporcional também a responsabilidade que os blogueiros devem ter”, alertou.
O deputado comentou que os blogueiros devem ter uma postura, enquanto comunicadores, de preservar os fatos. “Não estou fazendo aqui a defesa de que as pessoas devam ser omissas, porque todos têm sua opinião, seu ponto de vista. O comunicador não vai deixar de ter e tem de ter sua opinião, mas acho que é preciso preservar sempre uma grande fidelidade aos fatos”, acredita.
“Esse Poder é importante para a sociedade e é importante que ele permaneça forte e, para isso, precisa ser fiscalizado, mas é necessário também divulgar o que ele tem feito em prol do fortalecimento da cidadania e dos interesses coletivos”, reforçou o deputado. “Os blogs vêm quebrar uma hegemonia muitas vezes negativa dos grandes meios de comunicação e isso é bom porque democratiza mais a informação”, concluiu o líder do Governo.
Assessoria

É hoje.

3º Corrida da Independência em Brejo




Atenção ciclistas de Brejo e região! Vem ai a 3º Corrida da Independência em Brejo da Madre de Deus. Será no dia 7 de setembro às 9h com largada em Fazenda Nova e chegada no Pátio de Eventos no centro da cidade.

Participarão ciclistas profissionais e amadores, inscrição grátis e premiação do 1º ao 5º colocado.

Para mais informações ligue: 9733-9887.

Realização: Secretaria Municipal de Educação cultura e Esporte.



Do Estação Notícias

Jataúba vai ta presente.

"Isso aqui não é movimento social, isso é bandidagem"

X



A declaração do secretário de Defesa Social de Pernambuco, Wilson Damázio, deixa clara a posição do Governo do Estado após o quebra-quebra promovido por manifestantes que exigiam a implantação do passe livre na capital pernambucana; a ordem agora é que o Batalhão de Choque acompanhe os atos desde o início da concentração; bolsas e mochilas serão revistadas e o uso de máscaras e escudos serão coibidos; a manifestação desta quarta-feira teve como saldo o incêndio de ônibus e veículos, além de danos ao patrimônio público e privado

 - DEPOIS DO QUEBRA-QUEBRA REGISTRADO NO RECIFE, NESTA ÚLTIMA QUARTA-FEIRA (21), DURANTE MANIFESTAÇÃO PROMOVIDA PELA FRENTE DE LUTA PELO TRANSPORTE PÚBLICO, QUE EXIGIA A IMPLANTAÇÃO DO PASSE LIVRE E A ABERTURA DE UMA COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO PARA APURAR IRREGULARIDADES NO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DA CAPITAL, O GOVERNO DO ESTADO AFIRMOU QUE IRÁ ENDURECER AS AÇÕES NO SENTIDO DE EVITAR DISTÚRBIOS. ISSO AQUI NÃO É MOVIMENTO SOCIAL, É BANDIDAGEM”, DISSE O SECRETÁRIO DE DEFESA SOCIAL, WILSON DAMÁZIO, EM REFERÊNCIA AOS ATOS DE VANDALISMO E DEPREDAÇÕES QUE RESULTARAM EM DANOS AO PATRIMÔNIO E VEÍCULOS INCENDIADOS. ENTRE AS MEDIDAS QUE SERÃO ADOTADAS, ESTÁ O ACOMPANHAMENTO PERMANENTE DOS MANIFESTANTES, DESDE O MOMENTO DA CONCENTRAÇÃO, PELO BATALHÃO DE CHOQUE, A REVISTA DE BOLSAS E MOCHILAS, ALÉM DA PROIBIÇÃO DO USO DE MÁSCARAS OU ESCUDOS PELOS ATIVISTAS.

"Desde o início dos protestos, a polícia foi orientada para proteger as pessoas que participavam pacificamente dessas manifestações. Mas ontem o movimento mudou de rumo, extrapolou todos os limites. Não podemos ficar passivos", afirmou Damázio. Segundo o secretário, como Pernambuco se destacava pela forma ordeira durante as mobilizações, o Batalhão de Choque não foi acionado para acompanhar o ato desta semana. Segundo ele, a tropa só foi acionada quando o quebra-quebra já estava acontecendo. Agora, todo o protocolo de atuação será revisto. "O artigo 5º da Constituição garante as manifestações nas ruas, mas não permite que as pessoas escondam a sua identidade", justificou o secretário quando indagado sobre a iniciativa de não mais se permitir o uso de máscaras ou capacetes durante os protestos.
Damázio confirmou, ainda, a participação de integrantes ligados ao grupo Black Bloc, que estariam treinando os ativistas recifenses para atuarem de forma mais radical, além de fazerem uso de táticas e recursos violentos para enfrentar a polícia. “Estamos em contato com as polícias de outros estados, como Rio de Janeiro e São Paulo, para identificar essas pessoas. Não podemos adiantar nenhuma informação para não prejudicar as investigações”, observou.
De acordo com o chefe da Polícia Civil, Oswaldo Moraes, as investigações para identificar os envolvidos nos atos de vandalismo já estão em curso. “Já identificamos algumas pessoas, mas contamos com a ajuda da população para que todos sejam punidos. Foram mais de 14 crimes cometidos, entre eles o de provocar incêndio colocando em risco a vida de outras pessoas, o que pode resultar em seis anos de prisão”, explicou Moraes.
O confronto entre manifestantes e policiais resultou no incêndio de um ônibus e de uma motocicleta da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU). Também foram depredadas janelas e vidraças da Câmara de Vereadores, do Cinema São Luiz e de vários estabelecimentos comerciais. Uma estação de aluguel de bicicletas também foi completamente destruída pelos vândalos.

Pirâmide: uma prática criminosa



Por Vinicius de Negreiros Calado, presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da OAB/PE e professor universitário, e Danilo Heber Gomes, secretário da Comissão de Defesa do Consumidor da OAB-PE e professor universitário

Várias empresas ganharam o noticiário recentemente, após decisões judiciais que encerraram ou suspenderam suas atividades ao reconhecê-las como ilícitas.

É prática criminosa e abusiva a obtenção de ganhos ilícitos através do esquema chamado de “Pirâmide Ponzi”, o qual vem sendo adotado por algumas pessoas (físicas e jurídicas) no cenário nacional e local.

Regra geral, a empresa procurar se revestir de uma aparência de legalidade e se diz responsável pela prática do chamado Marketing multi nível, mas, na verdade, pratica a chamada pirâmide financeira. Esta última atividade é tipificada como crime contra a economia popular: inciso IX do art. 2º da lei 1.521/51 (Lei dos crimes contra a economia popular).

A diferença básica entre uma pirâmide financeira e uma empresa de Marketing multi nível é que na primeira não há um produto sequer, basta que o interessado se cadastre, pague o valor proposto e passe a arregimentar outras pessoas, auferindo seu resultado diretamente daqueles que se encontram “abaixo”.

Na verdade, o principal objetivo destas empresas é a angariação de novos investidores, pois é com o “investimento” inicial daquele que acabou de aderir à empresa que ela remunera os membros mais antigos, e assim sucessivamente. Vale destacar que o investidor recebe um percentual do investimento daqueles que entrarem no “negócio” por sua indicação. Ou seja, o principal intuito é indicar pessoas sob a promessa de ganho fácil e rápido.

Neste sentido, a diferença entre pirâmides e marketing de rede é a seguinte: a pirâmide tem uma estrutura semelhante ao marketing de rede, mas um foco totalmente diferente. A pirâmide recompensa os membros por recrutarem novos distribuidores, e em geral, negligenciam o marketing e a venda da mercadoria. Agora o marketing de rede é uma boa maneira de vender mercadorias ou serviços através de distribuidores, pois o distribuidor recebe comissões sobre vendas dos produtos e serviços vendidos, e pelo recrutamento de outros distribuidores.

Partindo desta premissa, pode-se chegar a diferença entre a situação do revendedor da rede de marketing e o do divulgador de uma pirâmide está em que, o primeiro, no desempenho de sua atividade, acaba construindo uma rede de consumidores, aos quais sempre pode retornar e, preparado que está para estratégias de venda, convencê-los a mais uma vez adquirir o produto. O investidor, por outro lado, no desempenho de sua atividade, não constrói uma rede de clientes, mas sim de novos divulgadores. Então, se as fontes de recurso para o custeio da rede são finitas, quando efetivamente cessarem, o divulgador que ainda não recuperou seu investimento tentará realizar novos cadastros, mas não encontrará interessados. Neste momento pode-se dizer que a rede (a pirâmide) quebrou.

Apesar da forte atuação da mídia na divulgação dos casos de pirâmides que foram desmascaradas, todos os dias surgem novas “empresas” prometendo ganhos rápidos para as pessoas “sem sair de casa” ou “apenas num clique”, utilizando do mesmo esquema de pirâmide disfarçado das mais variadas formas.

Outrossim, como os pagamentos são feitos com os valores dos novos membros, dificilmente o “investidor” conseguirá recuperar judicialmente tudo aquilo que “investiu” na empresa, pois o seu ganho está diretamente relacionado ao prejuízo dos outros.

Assim, fica aqui mais um alerta à população pernambucana, de modo que não se deixe enganar por promessas de grandes ganhos financeiros, pois há grande probabilidade de lesão, sendo certo que constatada a prática de pirâmide estar-se-á diante da prática de um crime, devendo-se adotar uma postura cautelosa diante de qualquer publicidade que anuncie e “garanta” lucros fora do padrão de mercado.

Quem vai me pagar?

Uma pergunta muito recorrente, principalmente entre os “investidores” das pirâmides bloqueadas, é “como vou recuperar meu dinheiro?”. Esta indagação é feita por aqueles que, cegamente, investiram financeiramente alto nas empresas cujo bloqueio de bens se operou.

Nas linhas abaixo tentar-se-á esclarecer alguns pontos em relação ao prejuízo daquelas pessoas que entraram por último no chamado “esquema Ponzi”. Também há de se investigar se os chamados líderes podem ter algum tipo de responsabilidade.

Pois bem, primeiramente é inegável que a empresa é quem deve arcar com o prejuízo dos “investidores”. Ocorre que os bens bloqueados podem não ser suficientes para sanar o prejuízo de todos. Ou pior, os bens podem já estar no exterior ou na conta dos chamados “laranjas”.

Não há dúvidas, outrossim, que diante da impossibilidade da empresa de arcar com o prejuízo de seus investidores, os seus donos é que deverão responder. Mas, tal qual a empresa, quem está no topo da pirâmide não tem o dinheiro para arcar com o prejuízo.

Então qual seria a saída?
Há alguns casos de pessoas, os chamados líderes, que sabem que o esquema vai ruir e, mesmo assim, insistem em ludibriar pessoas mais humildes e prometer lucros excessivos para que ingressem na empresa e se tornem “novos investidores”.

Nesses casos esses tipos de líderes têm a chamada responsabilidade civil de reparar o dano. Significa dizer que eles praticaram conduta ilícita (ao saber que a pirâmide ruiria e mesmo assim angariou novos “investidores”), causaram dano (é inegável o prejuízo de milhares de pessoas vítimas desse golpe) e entre a conduta e o dano há o chamado nexo de causalidade, ou seja, o dano apenas ocorreu em virtude da conduta do agente causador do dano, neste caso, o “líder”.

Com efeito, a responsabilidade civil pela reparação dos danos causados pela pirâmide financeira é um assunto que ainda não foi levado aos tribunais, e está longe de ter uma solução pacificada na jurisprudência.

Por fim, reiteramos o conselho dado há pouco: fique longe dessa prática criminosa e desconfie do dinheiro fácil e lucros excessivos, pois não existe tal recompensa sem trabalho.

TJPE mantém condenação de ex-prefeito de Itamaracá




A 1ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) decidiu, por unanimidade, manter a condenação do ex-prefeito de Itamaracá, Marcos Augusto Cordeiro Santos, por improbidade administrativa. O réu foi acusado de deixar de repassar os valores descontados dos vencimentos dos servidores públicos do município a título de contribuição previdenciária.

De acordo com a denúncia do Ministério Público de Pernambuco, o ex-prefeito deixou de realizar os repasses dos valores citados para o Itamaracaprev - Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município da Ilha de Itamaracá, nos meses de maio a dezembro de 2004, totalizando o valor de R$ 101.416,17.

Segundo os autos, o réu também não providenciou o recolhimento das contribuições patronais no mesmo período, criando um débito total de R$ 266.134,01. Marcos Augusto Cordeiro Santos justificou o fato alegando dificuldades financeiras, à época, enfrentadas pelo município.

O ex-prefeito teve suspensos os direitos políticos, pelo prazo de cinco anos; ficou proibido de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pelo prazo de três anos; e, por fim, foi condenado a perder cargo ou função pública que eventualmente esteja ocupando.

O desembargador Jorge Américo, em seu voto, destacou que não efetuar temporariamente os repasses de “contribuições patronais” representa descumprimento da lei, mas que não passa de mera irregularidade que pode ser sanada. O relator ainda ressaltou que o Poder Judiciário não pode permitir a prática de atos desta natureza, sob pena de macular o patrimônio jurídico dos servidores públicos locais e o próprio interesse público representado na má administração da verba pública.

Nada foi cumprido como o prometido.

 Atenção senhores vereadores cade o que foi prometido para os alunos to Taekwondo. Onde estive na reunião da câmara de vereadores de jataúba  e vi sair de suas propiás bocas  que iriam se juntarem e pagarem um espaço para que este esporte  fosse praticado num lugar mais adequado. O espaço  já foi alugado só que tem uma coisa o aluguel ta sendo pago por conta dos próprios alunos.  Alunos estes que representa o nome de nossa cidade. Procurei saber como estaria funcionando logo de cara indagado por alguns alunos que nada do que foi dito foi cumprido ate o momento. Os pais das crianças e jovens estão fazendo a famosa vaquinha para que possa quitar o aluguel. 

Lembrando que este recadinho aqui é pra os dois lados situação e oposição que se prontificaram e aceitaram pagar o aluguel.