segunda-feira, 14 de março de 2016

“Ruim com Dilma, pior sem ela”, diz líder do MST

Coordenador do MST, João Paulo Rodrigues minimizou, hoje, o risco de as medidas adotadas pelo governo Dilma Rousseff – pacote fiscal e defesa da reforma da Previdência afetarem a participação dos movimentos sociais no ato contra o impeachment.

A manifestação em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do mandato de Dilma está programada para sexta. João Paulo diz que não são as ações do governo que estão em jogo, mas a legalidade do mandato.

"Não é fácil explicar isso. Faremos críticas ao governo. Mas defendemos a legalidade do mandato", disse ele.

O líder do MST afirmou ainda que o modelo defendido pela oposição, o "semipresidencialismo", não funcionaria no Brasil. "O discurso dos tucanos e dos coxinhas poder ser bom para a Europa. Mas no Brasil seria um desastre", argumenta.

Ele diz ainda que o impeachment representaria um retrocesso para as classe trabalhadora e movimentos sociais. Resume: "ruim com Dilma. Pior sem ela". Na tarde desta segunda, movimentos sociais se reúnem para tratar da organização do ato de sexta.

Da Folha de São Paulo



Vereador que apoia este trabalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário